Dislexia - Transtorno de aprendizagem


Dislexia Transtorno do aprendizado abrangendo a leitura, escrita, soletração ou suas combinações, com origem genético-hereditária acomete indivíduos que tenham familiares com problemas fonológicos. Essas alterações ocorrem em cromossomos específicos 6/ 1/ 2/ 15, ocasionando interrupção ou malformação nas conexões cerebrais que ligam zonas anteriores (lobo frontal) com zonas mais posteriores (lobo parietal e occipital) do córtex cerebral. Podem ser divididas em: Central - ocorre o comprometimento do processamento linguístico dos estímulos, ou seja, alterações no processo de conversão da ortografia para fonologia. Periférica – acomete o sistema de análise visual-perceptiva para leitura, havendo prejuízos na compreensão do material lido. De acordo com a Associação Brasileira de Dislexia, o transtorno acomete de 0,5% a 17% da população mundial, podendo se manifestar em pessoas com inteligência normal ou mesmo superiores e persistir na vida adulta. Fatores de risco: - Déficits cognitivos. - Fatores neurológicos (neuroanatômicos e neurofisiológicos). - Prematuridade e baixo peso ao nascimento. - Influências genéticas e ambientais. Sinais e Sintomas: - Atraso na aquisição da fala. - Atraso no desenvolvimento motor como engatinhar, sentar e andar. - Não entende o que ouve. - Hiperativa ou hipoativa. - Dificuldade em ler e escrever, inventando, acrescentando ou omitindo palavras. - Dificuldade em compreender textos. - Dificuldade em se concentrar. - Não gosta de ler em voz alta. - Esquece facilmente o que aprende. - Confusão entre esquerda e direita, cima e baixo, frente e atrás. - Dificuldade em soletrar. - Escrita lenta, ilegível e desordenada. - Dificuldade no cálculo mental e na gestão do tempo. - Necessidade de reler várias vezes o mesmo texto para compreender. - Confusão em relação à pontuação e gramática; - Dificuldade no planejamento, organização e manejo do tempo ou tarefas.

O diagnóstico é realizado por uma equipe multidisciplinar (médico, psicólogo, psicopedagogo, fonoaudiólogo e neurologista), descartando ocorrência de deficiências visuais e auditivas, déficit de atenção, escolarização inadequada, problemas emocionais, psicológicos e socioeconômicos que possam interferir na aprendizagem. SAIBA MAIS: - Entre as dislexias centrais, ressaltam-se a fonológica, a de superfície e a profunda; já as dislexias periféricas incluem a dislexia atencional, a por negligência e a literal. - Nas dislexias de desenvolvimento, as mais comuns são a dislexia fonológica e a de superfície e a dislexia semântica (caracteriza-se pela preservação da leitura em voz alta, sem erros de decodificação (fonema-grafema), porém com pobreza na compreensão da escrita). - Vale lembrar que uma criança que tenha um genitor disléxico apresenta um risco importante de apresentar dislexia, sendo que 23 a 65 % delas apresenta o distúrbio. - Distúrbio (ou transtorno) do aprendizado mais frequentemente identificado na sala de aula. - No Brasil, cerca de 40% das crianças em séries iniciais de alfabetização apresentam dificuldades escolares, enquanto que em países mais desenvolvidos a porcentagem não chega a 20%. - Sabe-se que se um aluno com dificuldades de aprendizagem for bem conduzido pelos profissionais de saúde e educação, em conjunto com a família, poderá obter êxito nos resultados escolares. - Crianças de famílias que têm história da dislexia poderão ser testadas. - Se tiverem o risco genético podem ser colocadas em programas precoces de intervenção. - É importante estabelecer o diagnóstico para evitar reflexos negativos sobre sua autoestima e projeto de vida.

#drleokahn #Dislexia #Transtornodeaprendizagem

94 visualizações

Visto em

    Gostou da leitura? Compartilhe agora e me ajude a proporcionar informações e orientações aos meus leitores :