Hipotireoidismo: Maior incidência em Mulher.


Hipotireoidismo.

Doença que ocorre quando a glândula tireóide, localizada na região anterior do pescoço, não produz o hormônio tireoidiano em quantidades suficientes. Os hormônios liberados por ela, T4 (tiroxina) e T3 (triiodotironina) estimulam o metabolismo, regulando todas as reações necessárias para assegurar os processos bioquímicos dentro do organismo. Cerca de cinco milhões de brasileiros tem hipotireoidismo e a grande maioria ainda não foi diagnosticada. A incidência é quatro vezes maior nas mulheres e aumenta com a idade, principalmente após os 35 anos, sendo que a doença pode ter característica familiar, atingindo vários membros. Nos adultos, a causa mais comum do hipotireoidismo é a tireoidite de Hashimoto, nessa doença, o sistema de defesa do organismo ataca a glândula tireóide causando danos e comprometendo a sua capacidade de produzir hormônios tireoidianos. Pode ser causado também por tratamentos médicos que reduzem a capacidade da tireóide produzir hormônio. Entre os tratamentos que podem ter esse efeito adverso estão o uso de iodo radioativo ou a cirurgia com retirada parcial ou total da tireóide. Outra causa é a presença de alguma doença da hipófise, levando à redução da produção do TSH, o hormônio que estimula o funcionamento da tireóide. Algumas medicações também podem levar à redução da produção ou da ação dos hormônios tireoidianos e, portanto, provocar hipotireoidismo. Há casos, ainda, em que a tireóide não se desenvolve adequadamente e a criança apresenta deficiência de hormônios tireoidianos desde o nascimento; é o chamado hipotireoidismo congênito, que geralmente é diagnosticado por meio do teste do pezinho.

O diagnóstico é realizado pela historia clinica e por um simples exame de sangue.

Sinais e Sintomas:

- Cansaço; - Desânimo e depressão; - Raciocínio lento; - Sensação de frio excessivo; - Ganho de peso, em torno de 3 Kg; - Pele seca e cabelos finos e quebradiços; - Inchaço matinal nas pernas ou ao redor dos olhos; - Pouca sudorese; - Intestino preso; - Irregularidade das menstruações; - Infertilidade; - Batimento lento do coração; - Aumento do colesterol; - Alterações da libido nos homens.

SAIBA MAIS:

- A ingestão regular do iodo contido no sal de cozinha evita a formação de bócio. - Hormônios tireoidianos não devem ser tomados nos regimes para emagrecer. - Procure adotar uma dieta alimentar equilibrada. É engano imaginar que o hipotireoidismo seja fator responsável pelo ganho de peso, porque as pessoas costumam ter menos fome quando estão com menor produção dos hormônios tireoidianos. - Atividade física regular é indicada nos casos de hipotireoidismo. - Fumar é desaconselhável.

PRECAUÇÕES:

- A dosagem do TSH/T4/T3 devem ser medida: - Depois dos 40 anos com regularidade; - Mulheres em período pós-parto, ate 6 meses após o parto; - Em pessoas que já tiveram doenças de tireoide anteriormente; - Em pessoas com história familiar de doenças autoimunes da tireoide; - Em pessoas que apresentem outras doenças autoimunes como: diabetes tipo 1, lúpus e artrite reumatoide; - Em pessoas que estiveram em tratamento de radioterapia de cabeça e pescoço; - Em pessoas em uso de lítio ou amiodarona.

Procure com o médico endocrinologista a melhor forma de tratamento para seu caso e siga suas orientações à risca.

#hipotireidismo #drLeokahn #doençasdatireoide

4,320 visualizações

Visto em

    Gostou da leitura? Compartilhe agora e me ajude a proporcionar informações e orientações aos meus leitores :