Maratona e a Rabdomiólise


Maratona e a Rabdomiólise

Lesão grave do tecido musculoesquelético, que ocorre na maioria das vezes pelo excesso de exercícios prolongados como maratonas e ultra maratonas. O resultado é a morte das fibras musculares através dos radicais livres gerados principalmente pela respiração celular, provocando a peroxidação lipídica e levando a liberação de substâncias intracelulares, principalmente a mioglobina. Quando essa proteína cai na corrente sanguínea é filtrada pelos rins, que podem ficar sobrecarregados, pois é muito tóxica, podendo levar a uma insuficiência renal aguda e a óbito o indivíduo.

Outros distúrbios que podem ocorrer:

- Desquilíbrio eletrolítico com níveis alterados de potássio e cálcio, arritmia e até mesmo parada cardíaca. - Inflamações hepáticas que prejudicam ainda mais a filtragem de toxinas no corpo. - A Coagulação intravascular disseminada que tem como causa a hiperatividade do fator de coagulação, fazendo com que pequenos coágulos se formem pelo corpo, obstruindo vasos e parando o fornecimento de sangue a vários órgãos importantes. - A síndrome compartimental que inicia com o edema no interior dos músculos lesionados, devido à pressão nas faixas em torno do músculo sufoca o fornecimento de sangue, podendo até destruir permanentemente o tecido muscular. Nos EUA são relatados anualmente cerca de 26 mil casos de rabdomiólise.

SINAIS E SINTOMAS:

- Fraqueza e dor muscular. - Urina escura. - Diminuição na produção de urina. - Inchaço das mãos e pés. - Falta de ar. - Letargia. - Náuseas. - Tontura.

O diagnóstico é realizado através do histórico e exame físico, quando o médico analisa os músculos maiores do seu corpo, especialmente as partes doloridas, para ver se ainda há sensibilidade ou se o tecido muscular morreu. Exames de sangue devem ser solicitados como: creatinoquinase (Ck), mioglobina, cálcio, potássio e creatinina.

SAIBA MAIS:

- A rabdomiólise sempre é iniciada por uma lesão muscular. - Essa lesão pode ser causada por: meios físicos ou químicos; doenças genéticas ou hereditárias, problemas endócrinos e metabólicos. - Causa importante da rabdomiólise é o alto consumo de estatinas, uso de outros fármacos e níveis elevados de álcool. - Evite o uso de antiinflamatórios. - No treino aprenda a ingerir grandes quantidades de líquidos se você vai competir em clima quente e úmido, a adaptação ao calor é importante para evitar a perda excessiva de sódio através do suor. - É muito importante a adaptação do treinamento ao percurso da prova. - Verifique seu peso antes e após o treino ou competição, a diferença é a quantidade de líquido perdido que deverá ser reposto. - O atleta deve aprender a tolerar o desconforto de carregar maiores quantidades de água em seu estômago, sem perder o ritmo de sua passada, pois só assim conseguirá ingerir grandes quantidades de líquidos, e dessa forma minimizar os efeitos da desidratação e consequentemente a diminuição do rendimento. - Beba água e soluções contendo carboidratos e sódio em concentração e frequência adequadas. - Sinais e sintomas que o seu corpo apresenta como: calafrios, arrepios, tonturas, dor muscular exagerada, náuseas, perda da coordenação, entre outros, indicam que algo está errado. - Pare para descansar um pouco e aproveite para comer e se hidratar corretamente. - Saiba o momento de abandonar a prova, se for o caso, além do desempenho, o objetivo principal deve ser a diversão. - Evite várias competições durante o ano, maratonistas profissionais conseguem ótimo desempenho em no máximo duas provas/ano devido a fatores fisiológicos. - A recuperação da maratona é demorada.

Procure um médico do esporte ou nutrólogo sempre que for realizar atividades fisicas intensas.

#MaratonaeaRabdomiólise #drleokahn

12 visualizações

Visto em

    Gostou da leitura? Compartilhe agora e me ajude a proporcionar informações e orientações aos meus leitores :